Eclipse lunar mais longo do século poderá ser visto em 27 de julho - Japi em Dia

Blog a serviço da População


Post Top Ad

Eclipse lunar mais longo do século poderá ser visto em 27 de julho

Compartilhar

O eclipse lunar mais longo do século XXI, que terá um total de 102 minutos, poderá ser observado em 27 de julho e o Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC, no arquipélago espanhol no Atlântico) transmitirá ao vivo desde a Namíbia através do canal sky-live.tv. A transmissão ao vivo deste eclipse total da lua será realizada com a colaboração do projeto europeu STARS4ALL e do Observatório de altas energias HESS, informou nesta sexta-feira (20) o IAC por meio de um comunicado. Os eclipses lunares acontecem quando o satélite terrestre é ocultado pela sombra da Terra, o que não ocorre todos os meses, porque a órbita lunar está inclinada com relação à da Terra (eclípctica).

Ao contrário dos eclipses solares, os lunares são visíveis desde qualquer lugar do mundo, uma vez que a Lua está sobre o horizonte no momento do eclipse, explicou o Instituto de Astrofísica das Canárias. Em 27 de julho deste ano ocorrerá um eclipse total de Lua com o máximo centrado no Oceano Índico, segundo dados proporcionados pela NASA.

A fase de totalidade do eclipse durará 1 hora e 42 minutos, sendo o mais longo do século XXI, começado às 19h30 GMT (16h30, em Brasília) e a Lua começará a eclipsar-se (entrada na sombra terrestre) às 18h24 GMT (15h24, em Brasília). Será possível observar desde a América do Sul, Europa, África, Ásia e Oceânia, e durante a totalidade, será possível comprovar que a Lua não desaparece de vista, mas adquire uma tonalidade avermelhada.

A atmosfera da Terra, que se estende por 80 quilômetros além do diâmetro do nosso planeta, atua como uma lente que desvia a luz do Sol. Ao mesmo tempo, Últra eÚcazmente seus componentes azuis e deixa passar somente a luz vermelha que será reÛetida pelo satélite. Assim, a Lua adquire o resplendor cobreado tão característico, acrescenta o IAC. Outro evento como este só acontecerá seis meses depois, em janeiro de 2019, comentou no comunicado Miquel Serra-Ricart, astrônomo do IAC.
O astrônomo acrescentou que no transmissão feita desde a Namíbia, a escuridão produzida pelo eclipse permitirá descobrir objetos somente visíveis desde os céus austrais, como as Nuvens de Magalhães.

Deu no Portal no AR

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Pages